0
0
0
s2smodern


Projeto pioneiro do Banco do Brasil completa em outubro 20 anos de sucesso e reconhecimento no Rio de Janeiro 

Por Bruno Pacheco

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro completa 20 anos de existência este ano. Referência na divulgação de projetos culturais na cidade maravilhosa, o espaço é  resultado de uma proposta pioneira da instituição no campo do marketing cultural na década de 1980. Naquela época, a intenção do banco era preservar a arquitetura neoclássica do histórico prédio (que fora sede do BB por anos),  transformando-o em um centro cultural. O imóvel é de grande importância para o universo financeiro nacional. No início do século, ele foi a sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro.
Com uma infraestrutura invejável distribuída em cerca de 1700m² de área, o CCBB tem como marca a diversidade das suas programações, ao unir jovens talentos e artistas consagrados das mais diferentes formas de artes: teatro, música, artes plásticas, dança, cinema etc. Todos os eventos a preços acessíveis e abrangendo toda sociedade, outro diferencial desde seu surgimento.
O espaço, situado no centro da cidade, na famosa rua Primeiro de Março, dispõe, ao todo, de três teatros, totalizando quase 500 lugares; uma equipada sala de cinema com capacidade para 110 pessoas; salas para exposições; um auditório para  plateia de até 90 pessoas; além da sala de vídeo e do espaço histórico com uma exposição permanente sobre a história do Banco do Brasil.
A programação do CCBB Rio é definida através de processo seletivo (ver quadro), no qual agentes culturais inscrevem os seus projetos e os escolhidos se apresentam no decorrer da temporada subsequente ao edital. O sucesso do CCBB no Rio de Janeiro fez com que a ideia se estendesse para as cidades de Brasília e São Paulo. Atualmente, também existe o CCBB Itinerante, com a proposta de levar arte para outras capitais brasileiras, valorizar as culturas locais e revelar novas tendências artísticas. Só este ano, a iniciativa visitará 18 cidades. A agenda pode ser conferida no site www.bb.com.br/cultura.
Em setembro, uma programação especial entrará em cartaz no CCBB Rio em comemoração aos 20 anos de existência do centro. Tudo ainda é tratado com sigilo, mas pode-se adiantar que a parte teatral terá a participação de diversas companhias teatrais que se apresentaram nas salas do CCBB durante essas duas décadas, como revelou um produtor do evento. “Serão três semanas de montagens imperdíveis”, garante.

0
0
0
s2smodern
Tirar todas dúvidas é a melhor maneira para se evitar problemas na hora das prestações de contas, seja para empresas públicas ou privadas

0
0
0
s2smodern
Fundada há 24 anos, em Salvador, a Escola Picolino de Artes do Circo foi uma das primeiras beneficiadas com o Prêmio Carequinha de Estímulo ao Circo. Detalhe: durante dois anos seguidos. Com a verba da premiação, o grupo realizou eventos importantes para a categoria: promoveu, em 2007, o encontro de escolas de circo do Brasil e uma mostra de circo baiano. No ano seguinte, em outro encontro, reuniu os artistas baianos. "Graças a estas iniciativas criamos uma cooperativa de artistas circenses na Bahia", comemora Anselmo Serrat, fundador e coordenador geral da Picolino.
A união de interesses tem permitido a criação de empregos, a regulamentação da profissão e outras vitórias. "Seis grupos do interior do Estado foram contemplados pela Funarte com a aquisição de lonas e outros equipamentos", reforça Serrat. Terceira escola de circo mais antiga do Brasil, a Picolino, hoje, é uma ONG sem fins lucrativos que mantém atendimento, através de parcerias, a pessoas de todas as idades (incluindo 180 crianças) em situação de risco social.
Os participantes são encaminhados, por projetos sociais ou turmas particulares, e vão ao circo para manter a forma ou se divertir (têm em comum o encanto pelo mundo mágico). A outra parte desta comunidade é formada pela equipe, pelos parceiros e pelos amigos que criam as condições para que os projetos se realizem. Na ponta do movimento encontra-se a Companhia de Circo Picolino, composta por artistas formados na própria escola e que apresentam espetáculos como Panos, Batuque, Guerreiro, Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., 2002 Brasa e Família Picolino.

Página 6 de 13