Sesc Avenida Paulista recebe temporada de “Fílon – O Teatro do Mundo” e discute a tirania da existência

Foto: Manu Costa
0
0
0
s2smodern

De 16 de novembro a 8 de dezembro, o Sesc Avenida Paulista recebe no Estúdio do andar de Tecnologias e Artes o espetáculo “Fílon – O Teatro do Mundo”, com concepção, direção e roteiro de Kenia Dias e Ricardo Garcia. A montagem é baseada na obra “Metróple Feérica: Terra Incógnita”, dos quadrinistas portugueses José Carlos Fernandes e Luís Henriques, que por sua vez tiveram inspiração no poema “Vida na Expectativa”, da escritora polonesa Wislawa Szymborska. Na trama, sempre que os moradores da cidade Fílon não sabem o que dizer, pontos eletrônicos fornecem respostas adequadas, até que um dia eles desaparecem, instaurando a insegurança na população.

FÍLON – O TEATRO DO MUNDO

“A vida não é fácil... Mas, na cidade de Fílon a vida deslizava sem atritos, ou convulsões graças aos pontos espalhados por todo lado. Sempre quando alguém não sabia o que dizer, o ponto logo acudia com uma resposta adequada. Ninguém conhecia os homens e as mulheres que, dia e noite, se revezavam nos pontos, nem como tiveram acesso ao roteiro da vida de cada cidadão. Até que um dia, os pontos aparecem vazios...”
Fílon é uma peça corporal/sonora inspirada na HQ “Metrópole Feérica: Terra Incógnita” dos portugueses José Carlos Fernandes e Luís Henriques, a obra, por sua vez, é inspirada no poema “Vida na Expectativa”, da polaca Nobel de Literatura, a poeta Wislawa Szymborska. Em cena, quatro artistas experenciam o corpo-sonoro-político-poético em situações limítrofes de controle e exaustão através do som, da voz e da ação no espaço. O espetáculo explora as diversas formas de controle e manipulação que permeiam a sociedade, as tarefas diplomáticas que limitam a imaginação e os sistemas que balizam nossas escolhas.
Pautada pelo movimento e pelo som, a montagem possui artifícios de ambientação para conduzir o espectador, como instrumentos criados especificamente para produção de ruídos e uma movimentação que reproduz a animosidade instaurada na cidade fictícia.
A peça traz no elenco Allyson Amaral, Ana Paula Lopez, Kenia Dias, Ricardo Garcia, e estrou em 2016 no estúdiofitacrepeSP.

NOVO ESPAÇO

O espetáculo inaugura um novo ambiente para as artes cênicas dentro da unidade: o Estúdio do espaço de Tecnologias e Artes. No andar, onde são desenvolvidos cursos e oficinas que fomentam as relações entre arte, corpo e tecnologia, passa agora a receber também temporadas de espetáculos com formatos mais experimentais e intimistas.

O ELENCO

Kenia Dias

Coordena o estudiofitacrepeSP - ateliê de som e movimento, um espaço dedicado à pesquisa e criação em arte sonora e arte da cena envolvendo atividades de formação e experimentação. Atua como diretora, performer e professora de artes cênicas. É professora de teoria e prática teatral da Escola Livre de Teatro de Santo André e doutoranda em Comunicação e Semiótica na PUC/SP. Entre seus últimos trabalhos estão: Vaga Carne em parceria com Grace Passô (2016); Aisthesis (Rumos Itaú Cultural 2014/2015) um projeto de intercâmbio entre artistas da dança e do teatro de São Paulo, Brasília e Portugal; Carne Moída, direção em parceria com Grace Passô realizada com formandos da EAD/USP (2014); Parquear (Rumos Dança Itaú Cultural/2013); ArriscaMundo (Oficinão Residência Galpão Cine Horto/BH/2008); Mundus Novus (Prêmio Funarte Myrian Muniz/2007); Páginas Amarelas (Universidade de Brasília/2006/ Prêmio de melhor direção do SESC/DF e do Festival RioCenaContemporânea). Atua como diretora de movimento e provocadora criativa em processos de criação de dança e de teatro. Seus últimos trabalhos dessa natureza foram realizados com o Grupo Galpão /BH e Teatro da Vertigem/SP, ambos em 2015. Mestre em Arte pela UnB - Universidade de Brasília e Bacharel em Interpretação Teatral pela mesma instituição. Foi professora de teoria e prática teatral do Departamento de Artes Cênicas da UnB e da pós-graduação da Faculdade de Artes Dulcina de Moraes

Ricardo Garcia

Ricardo Garcia é áudio artista e desenvolve sua pesquisa em música eletroacústica, eletrônica e trilha sonora. Atualmente reside na cidade de São Paulo e entre os anos de 2000 e 2011 viveu em Belo Horizonte/MG, onde foi professor de Trilha Sonora e coordenador do Laboratório de Trilha Sonora do CEFAR (Centro de Formação Artística) do Palácio das Artes; coordenou o Núcleo de Sonoplastia do Galpão Cine Horto; ministrou a disciplina Som em Performance no curso de pós-graduação Movimento e Ação -Arte da Performance na Faculdade Angel Vianna e foi curador do Festival de Performance BH. Entre seus últimos trabalhos destacam-se: "Praça Pau Brasil" (música concreta) composição selecionada para a comemoração dos 100 anos do compositor John Cage pela "Electronic Music Foundation" - Ear to the Earth; "CepiáXiíCatu" - uma leitura multimídia para o cineasta Humberto Mauro (cinema mudo com trilha ao vivo) apresentado no Flatpack Festival Birmingham/UK; CD "Anônimo", projeto solo onde explora a sonoridade de Paisagens Sonoras em diálogo com timbres eletrônicos; "30 de Setembro" (performance multimídia); "Homem 70%Água" (instalação sonoro visual); Padedéu (performance- duo som/movimento); "Live/Sounscape-Brasilia" (performance sonora).

Ana Paula Lopez

Bacharel pelo Curso de Dança da Universidade Anhembi Morumbi, atriz pela EAD – Escola de Arte Dramática da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Tem uma extensa pesquisa na área de dança e teatro trabalhando com nomes como Lu Favoretto, Mariana Muniz, Bete Dorgam, Celso Frateschi, Bel Teixeira, Carla Candiotto, Grace Passô e Kenia Dias. Integrou a “CAOS! – Cia. de Arte” com quem criou e interpretou diversos espetáculos, se apresentando nos eventos: Segundas-Feiras-Rosas (2001-2002) da Casa das Rosas de São Paulo – SP, as Terças de Dança do Estúdio Nova Dança de São Paulo – SP, a III Bienal Sesc de Dança em Santos – SP (2002), o Festival Internacional da Nova Dança em Brasília - DF (2003), o Seminário de Corpo e Tecnologia do Senac – SP e o I Laboratório de Improvisação do Mercosul em Santiago Del Estero – ARGENTINA (2004). Criou, interpretou e produziu o solo CASA! no evento Feminino na Dança do Centro Cultural São Paulo (2005) e o apresentou no Sesc Santo André(2006). Criou e interpretou o duo SER OUTRA com a bailarina Paty Jaya, sob Orientação de Wesley D’Alessandro, ficando em cartaz na sala Rennée Gumiel da FUNARTE, em São Paulo, e se apresentou no FRINGE – Festival de Curitiba, 2014, no Ateliê das Meninas em Novembro/Dezembro de 2014 e na Mostra de Artes Cênicas de Mogi – 2015.

Allyson Amaral

Formado pela Faculdade Angel Vianna no curso de licenciatura em dança no Rio de Janeiro. É dançarino, intérprete-criador e arte-educador. Artista orientador em Dança do Programa Vocacional na periferia da cidade de São Paulo. Faz parte do elenco que criou o espetáculo “REAL” do Grupo Espanca de Belo Horizonte. Trabalhou como artista residente do Como_Clube, em São Paulo, coordenado pela coreógrafa Thelma Bonavita, desenvolvendo conjuntamente com outros artistas residentes experimentos em performance e dança. Desenvolveu o projeto “45,33,78”, dirigindo coletivamente como outros artistas o trabalho “Desejo que Fuja”, com orientação da coreógrafa Marcela Levi. Faz parte do elenco do grupo de teatro Grande Cia Brasileira de Mystérios e Novidades do Rio de Janeiro. E trabalhou na Lia Rodrigues Companhia de Danças no Rio de Janeiro.

Ficha técnica:

Criação e atuação: Allyson Amaral, Ana Paula Lopez, Kenia Dias, Ricardo Garcia
Concepção, direção e roteiro: Kenia Dias e Ricardo Garcia
Trilha sonora, figurino, luz, espaço cênico: Ricardo Garcia
Direção de movimento: Kenia Dias
Colaboração criativa: Dudude Herrmann

Serviço:

FÍLON – O TEATRO DO MUNDO
Quando: de 16 de novembro a 08 de dezembro de 2018
Horário: às 21h30 (sexta e sábado)
Local: Estúdio – Tecnologias e Artes (4º andar)
Ingressos: R$ 20,00 (inteira); R$ 10,00 (meia: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência); R$ 6,00 (credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).
Duração: 40 minutos
Classificação etária: 16 anos

SESC AVENIDA PAULISTA
Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo
Fone: (11) 3170-0800
Transporte Público: Estação Brigadeiro do Metrô – 350m
 
Horário de funcionamento da unidade:
Terça a sábado, das 10h às 22h.
Domingos e feriados, das 10h às 19h.

Horário de funcionamento da bilheteria:
Terça a sábado, das 10h às 21h30.
Domingos e feriados, das 10h às 18h30.