Canto Cidadão leva teatro a milhares de pessoas em hospitais

A iniciativa visitará cinco hospitais públicos e filantrópicos da Grande São Paulo

Trupe Dunavô se apresenta no Festival de Circo em Piracicaba

Pelo segundo ano consecutivo, o Festival Paulista de Circo recebe uma das grandes revelações do Circo e Teatro de São Paulo

Teatro do Incêndio inaugura sede com espetáculo que evoca a sabedoria popular

O Teatro do Incêndio inaugura sua nova sede, no Bixiga, no dia 16 de setembro (sábado, às 20h) com a estreia do espetáculo A Gente Submersa

Matheus Ceará em “O Nome do Show Você Decide”

Matheus Ceará dará um carro para quem sugerir o nome mais criativo para o seu novo show

Um berço de pedra

Montagem vencedora do Prêmio Shell de melhor iluminação (Miló Martins) e Prêmio Aplauso Brasil de melhor ator coadjuvante (Eucir de Souza), indicada em seis categorias aos prêmios SHELL, APCA e Aplauso Brasil

Alakazan "A Fábrica Mágica"

Senhoras e senhores, preparem-se para uma grande viagem ao divertido universo de magia e fantasia do Circo dos Sonhos
0
0
0
s2sdefault

Adoniran Peres

A celebração dos melhores da temporada dos espetáculos teatrais de 2008 foi realizada no último dia 10 de março com a entrega do 21º Prêmio Shell de Teatro, no Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro (RJ). O evento contou com momentos de homenagem, consagração e confraternização. Com a casa lotada, foi apresentado pela atriz Beth Goulart, premiada em 2001 pela melhor interpretação.

Um dos momentos mais marcantes ficou por conta da homenagem especial a Ida Gomes. A atriz que morreu no dia 22 de fevereiro de 2009, aos 85 anos, recebeu um longo aplauso da plateia por sua grande contribuição ao teatro brasileiro. Seu irmão, o ator Felipe Wagner lembrou a alegria da atriz ao saber que receberia o Prêmio Shell. "Estou muito emocionado de estarmos dividindo o orgulho e a saudade que sentimos dela". A atriz Débora Olivieri homenageou a tia com versos do soneto "Visita à casa paterna", de Luiz Guimarães Jr., com o qual Ida ganhou seu primeiro prêmio em 1937 e um contrato com a Rádio Nacional: "Uma ilusão gemia em cada canto/Chorava em cada canto uma saudade".
 

Premiados

Concorrendo como melhor ator, ao lado de nomes como Marcelo Faria e Fernando Eiras, Sérgio Britto foi ovacionado de pé pela plateia ao receber o prêmio pelo trabalho na peça "A última Gravação de Krapp e Ato Sem Palavras I". Aos 85 anos, com 63 deles voltados para o trabalho com teatro, ele dedicou a premiação à Isabel Cavalcanti, diretora de sua peça.

Britto, quem em 2003 já foi também homenageado na 16ª edição, avalia que os prêmios de teatro ao longo do tempo estão diminuindo. "A Shell foi aquela que manteve, no decorrer dos anos, ligação contínua com o teatro brasileiro. Particularmente, fiquei muito feliz com a homenagem que recebi há alguns anos na premiação", destaca.

O prêmio de melhor atriz, concorrendo ao lado de Drica Moraes, ficou com Patrícia Selonk, pela interpretação em "Inveja dos Anjos". O mesmo espetáculo também ganhou o troféu no quesito autor, pelo texto de Maurício Arruda e Paulo de Moraes. Ary Coslov foi escolhido o melhor diretor por "Traição".

Nas categorias técnicas, destaque para a peça "Não Sobre o Amor", premiada por melhor iluminação, de Beto Bruel, e cenário, de Daniela Thomas. No quesito música, excepcionalmente, os jurados optaram por dividir o prêmio entre Delia Fisher e Jules Vandystadt, pelos arranjos, vocal e instrumental, de "Beatles num Céu de Diamantes" e Fábio Nin, por "É Samba na Veia, é Candeia".

Júri

Nesta edição, fizeram parte do júri do Rio de Janeiro Sérgio Fonta, dramaturgo, diretor e ator; Tania Brandão, pesquisadora e professora de História do Teatro Brasileiro; Fabiana Valor, atriz e bailarina; além de Bernardo Jablonski, professor e roteirista; e Caique Botkay, instrumentista e compositor de músicas para teatro. Os dois últimos despedem-se do júri este ano, sendo substituídos pelo iluminador Jorginho de Carvalho e por João Madeira, que foi participante ativo na história do Prêmio Shell de Teatro e atualmente está na direção do grupo AfroReggae.

As comissões julgadoras - uma para o Rio e outra para São Paulo – geralmente são compostas de cinco pessoas em cada cidade, convidadas pela Shell entre artistas, personalidades ligadas ao teatro e ao mundo cultural brasileiro, críticos etc.

O prêmio

Criado em 1988, o Prêmio Shell de Teatro é ponto de referência nos palcos. A premiação é oferecida aos maiores destaques da temporada teatral, no Rio de Janeiro e em São Paulo, separadamente, em nove categorias: autor, diretor, ator, atriz, cenografia, iluminação, música, figurino e categoria especial.

O prêmio é destinado aos profissionais do teatro brasileiro que tenham estreado espetáculos no Rio de Janeiro e em São Paulo entre 1º de janeiro e 31 de dezembro. As peças que estreiam entre 1º de janeiro e 30 de junho concorrem às indicações do primeiro semestre e as peças que estreiam entre 1º de julho e 31 de dezembro concorrem às indicações do segundo semestre.

Os vencedores recebem premiação individual de R$ 8 mil e um troféu do escultor Domenico Calabroni. A festa de entrega dos prêmios acontece alternadamente em cada uma das cidades.
O número mínimo de apresentações, não necessariamente consecutivas, para que o espetáculo concorra aos prêmios em São Paulo são 24, e o Rio de Janeiro 25. No caso de espetáculos em dias alternativos, o número mínimo é de 12 apresentações.


- Lista de vencedores do 21º Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro:

Iluminação:
Beto Bruel, por "Não Sobre o Amor"

Cenário:
Daniela Thomas, por "Não Sobre o Amor"

Figurino:
Inês Salgado, por "O Jardim das Cerejeiras"

Música:
Delia Fisher e Jules Vandystadt, pelos arranjos (vocal e instrumental) de "Beatles num Céu de Diamantes"
Fábio Nin, por "É Samba na Veia, é Candeia"

Categoria especial:
Charles Möeller e Claudio Botelho, pela expressiva contribuição ao gênero musical no cenário carioca

Autor:
Maurício Arruda Mendonça e Paulo de Moraes, por "Inveja dos Anjos"

Diretor:
Ary Coslov, por "Traição"

Ator:
Sérgio Britto, por "A última Gravação de Krapp e Ato Sem Palavras I"

Atriz:
Patrícia Selonk, por "Inveja dos Anjos"

Homenagem:
Ida Gomes, pela contribuição ao teatro brasileiro