Virada Cultural reúne quatro milhões de pessoas em SP

Virada Cultural reúne quatro milhões de pessoas em SP

A Virada Cultural reuniu neste final de semana cerca de quatro milhões de pessoas em 800 atrações. Ao longo das 24 horas do evento, foram apresentados peças de teatro, saraus, shows, espetáculos de dança, exibições de filmes e contação de histórias.

O evento está em sua quinta edição e, mesmo acontecendo no meio de um feriado prolongado, superou o público de 2008, quando compareceram 3,5 milhões de pessoas. “Já se tornou um evento, não apenas da cidade, mas um evento nacional. É o povo na rua ocupando praticamente toda região central da cidade, inclusive gente que vem de outras cidades”, afirmou o governador José Serra, que participou de alguns eventos da Virada no sábado à noite e na madrugada de domingo.

 

Apresentação de mariachis foi um dos 800 eventos realizados na programação
O Governo do Estado investiu diretamente cerca de R$ 300 mil, além de envolver 13 instituições e equipamentos da Secretaria de Cultura no evento, que estenderam seus horários e ofereceram atrações especiais para a Virada.

Os museus interativos Catavento, Museu do Futebol e da Língua Portuguesa estenderam os horários, até 20h, 22h e meia-noite, respectivamente. O Museu da Imagem e do Som e a Casa das Rosas foram ainda mais longe e ofereceram 24 horas de atividades. O público pode conferir também uma apresentação da SP Companhia de Dança, criada na atual gestão, que pela primeira vez se apresentou em um palco de rua.

Metrô e CPTM também operaram durante toda madrugada para garantir o transporte do público da Virada. Além do horário, as empresas ofereceram trens e segurança extras nas estações.

Dentre as atrações musicais, Maria Rita, Zeca Baleiro, Wando, Reginaldo Rossi, Velhas Virgens e CPM 22 foram as mais procuradas. No Teatro Municipal de São Paulo, que abrigou apresentações de artistas que interpretaram discos históricos de suas carreiras, as apresentações com maior público foram as de Tom Zé, Francis Hime e Orquestra Experimental de Repertório e Egberto Gismonti.

Outro palco lotado durante o evento foi o “20 anos sem Raul”, onde fãs do cantor e compositor baiano Raul Seixas acompanharam diversos cantores interpretando sua discografia.ntagem de histórias. O público se dividiu entre os 42  Ceus (Centros Educacionais Unificados), unidades da rede Sesc, museus da Secretaria de Estado da Cultura, Teatro Municipal de São Paulo e palcos de rua.

Previous Florida: a rua sem flores
Next Estreia o Instituto de Tecnologia Teatral

About author

You might also like

da Redação 0 Comments

“Identidade – Alteridade” estreia no próximo dia 23 de maio em São Paulo

Exposição apresenta fragmentação formal do que é um retrato 

da Redação 0 Comments

JOÃO E MARIA, nova temporada no Fashion Mall

  Os irmãos João e Maria fazem parte de uma família de camponeses que luta para fugir da miséria durante a Idade Média. A terra infértil não produz mais alimentos

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!