Superprodução na Cidade das Artes

Superprodução na Cidade das Artes

Por Rubens Barizon
Do Jornal de Teatro

O interior da Grande Sala segue a estrutura imponente da Cidade das Artes, espaço cultural com arquitetura renomada internacionalmente. O Jornal de Teatro visitou o local, dia 14 de março para inteirar o público sobre “Rock In Rio – O Musical”, que contou com um orçamento de R$12 milhões.

Os três andares de camarote e os assentos do térreo, revestidos em madeira de tom escuro moderno, escorrem em direção ao palco e acompanham o recorte de design visto de fora. Para esperar o início do espetáculo, guitarras foram espalhadas em um painel que tomava todo o palco e substituiu a cortina preta tradicional. A banda por trás da estrutura preparava a trilha sonora ao vivo para o show.

No palco, os personagens das edições anteriores do Festival de Rock carioca eram encenados pelo plantel de intérprete, com um início a 220V. Não é para menos, no som tocava Cazuza. Logo na sequência da música, iniciou-se a encenação, com o personagem Alef (Hugo Bonemer) sempre calado, que escutava esporro da mãe( Lucinha Lins) por não parar de escutar música e por não abrir a boca. O cenário que envolvia as conversas com sua mãe era uma mesa, uma cama e ao fundo, livros.

O roteiro aborda um pré Rock In Rio e pelo que tudo indica, era a edição que havia censura da parte do Governo. A coesão musical era pertinente ao desenvolvimento da peça, aproveitando deixas e encaixando a dramaturgia com o sentido dado pelas canções selecionadas para a trama. A estreia do musical foi no início de janeiro e o tempo em cartaz transmite a maturidade do elenco. Tudo estava em sintonia; atores, direção e produção. A estrutura da grande sala, lotada na ocasião, facilita a execução de um musical desse calibre.

A outra protagonista era Sofia (Yasmin Gomlevsky), recém vinda do exterior, com temperamento forte e avesso à musicalidade do pai (Guilherme Leme), idealizador do Festival. O cenário característico das cenas de Sofia, era um sofá vermelho e ao fundo discos emoldurados.

Muito do Musical se desenrola na sala de aula de uma universidade, onde um motim se organiza para combater a liberdade dos jovens estudantes contra a repressão. Os protagonistas dividem histórias semelhantes de perda dos parentes próximos. No caso de Sofia a mãe, uma cantora sumida há 15 anos e no caso de Alef, o pai. Um escritor que escolheu a morte pela revolução de suas ideias. Portanto, ambos tinham uma gana exorbitante e estimulavam os outros personagens, cada um com sua particularidade, também apresentados durante o espetáculo.

Com texto da Rodrigo Nogueira, a direção de João Fonseca sob o “Rock in Rio – O Musical” fica em cartaz na Grande Sala da Cidade das Artes, Barra da Tijuca, Rio, até o dia 28 de abril com a produção da Aventura Entretenimento.

Previous Festival internacional tem 30 espetáculos de dança em SP
Next Cobertura do 25º Prêmio Shell no Rio de Janeiro

About author

You might also like

da Redação 0 Comments

‘A vida sexual da mulher feia’

Comédia inspirada no livro de Claudia Tajes estreia no Rio no dia 14 de junho,no Teatro dos 4, com supervisão de Amir Haddad.  A peça é protagonizada e dirigida por Otávio Müller

da Redação 0 Comments

“Santa Maria do Circo” estreia no RJ

Peça tem direção e supervisão de Ivo Fernandes e dramaturgia de Amir Haddad.

da Redação 0 Comments

Ary Fontoura, sinônimo de talento e sensibilidade

Coronel Artur da Tapitanga, Nero Petraglia, prefeito Florindo Abelha (seu Flô para os íntimos), Nonô Correia, Dino…

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!