Realidade visível da comunidade Carnaval

Realidade visível da comunidade Carnaval

Por Rubens Barizon 
rubensbarizon@editoraaver.com.br

O espetáculo carioca Maravilhoso cativou pela energia transmitida por todo o pessoal da peça teatral. O início estava marcado para às 21h, no entanto 20 minutos antes de começar a apresentação todos da produção e os artistas de palco já estavam na cena, demonstrando união e ensaiando em voz alta as frases de aquecimento na sala do teatro Bom Jesus na noite do dia 4 de abril, em suas posições iniciais e com luz acesa, clareza. O propósito da dramaturgia de Diogo Liberano no texto de Maravilhoso é retratar o período obsoleto da consciência política, econômica e social instalado na cidade do Rio de Janeiro durante os dias de carnaval.

O som dos instrumentos do ritmo afro-carioca deu a largada para a história que tem o Seu Dias como dono de uma escola de samba. Sujeito loiro, alto e bem vestido que com voz alta ditava as ordens aos subordinados no seu barracão. Henrique, o maravilhoso, tem problemas a resolver com sua esposa Wanda, uma mulher que tenta de todas as formas arranjar dinheiro para sobreviver, faz mandinga e transparece sua fraqueza espiritual. Henrique perdeu a sua mãe e tem um filho com Wanda para criar e de alguma forma precisa levantar um dinheiro para arcar com a responsabilidade. Discussões típicas da sociedade carioca marcam o enredo no início da peça.

Os outros dois personagens eram o condutor jornalista com voz ativa na peça Miguel e a piriguete filha de papai, Estrela. O figurino, com exceção do Dias que vestia cinto e acessórios brilhantes, tinham a aparência de manufaturados. Henrique quando cai nas teias do também bicheiro Dias, aparece em cena com roupa de canastrão. O cenário contava com um prato fundo e grande no centro do palco conotando diversos signos e um andaime ornamentado dava superioridade a quem lá em cima estava atuando.

Com o texto bem executado pelos atores, o trabalho de direção é sentido na coordenação das esquetes que davam evolução e harmonia no desfilar da interpretação que a encenação se conduzia, tanto na avenida, casa e no escritório do mandachuva Dias – já que a temática permite; o linguajar foi objetivo e coloquial. O som cênico do espetáculo introduzia as situações e distorcia o que o texto propunha. A produção do espetáculo funcionou e a conexão entre Rio de Janeiro e Festival de Curitiba fez valer a bilheteria no ótimo espaço cultural é o teatro curitibano Bom Jesus. A plateia aplaudiu de pé o elenco de “Maravilhoso”.

A Dramaturgia é de Diogo Liberano a Direção de Inez Viana. No elenco Carolina Pismel, Debora Lamm, Felipe Abib, Márcio Machado e Paulo Verlings. Na execução da iluminação Paulo César Medeiros. O Figurino é assinado por Flávio Souza; o cenário é de Luiz Henrique Sá e o Som Cênico marcado por Daniel Belquer.

Foto Rubens Barizon

Com Produção de Dani Carvalho e Idealização e Direção de Produção de Paulo Verlings, esse é o Maravilhoso, peça teatral que teve estreia na 22a edição do Festival de Teatro de Curitiba.

Foto Rubens Barizon


No camarim o Autor à esquerda e o elenco

Previous Linguística curitibana dá receita de comida e vocabulário
Next Ator protagonista de "Maravilhoso" fala do personagem Henrique

About author

You might also like

da Redação 0 Comments

Festa inscreve para workshop até segunda

Quem ainda não se inscreveu tem até a próxima segunda-feira (17) para tentar uma das vagas no Workshop de Dramaturgia, realizado pelo 51º Festival Santista de Teatro – FESTA, que será

da Redação 0 Comments

Carlinhos de Jesus é atração convidada do Baila Floripa 2013

 

Bailarino estará junto com os demais ministrantes dos workshops na Ronda dos Professores 

 

da Redação 0 Comments

Projeto de lei no Rio preocupa funcionários da rede estadual

Por Ive Andrade Um projeto de lei que será votado nesta segunda quinzena de junho causa polêmica na área cultural do Rio de Janeiro. Trata-se de um repasse da administração

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!