Polêmico, musical sobre funk chega ao Teatro Carlos Gomes

Polêmico, musical sobre funk chega ao Teatro Carlos Gomes

 

Embora declarado Patrimônio Cultural do Rio e gravado por Roberto Carlos, Caetano, M.I.A., entre tantos, o funk continua enfrentando desafios. Primeiro musical a encenar o gênero, “Funk Brasil – 40 anos de Baile” chega ao Teatro Carlos Gomes (RJ), de 15 a 26 de maio, em curta temporada popular, onde promoverá o debate “De uma vez por todas: Funk é Cultrua!”. 

 

No dia 16 de maio, falarão sobre o porquê de tanto preconceito nomes como Marcelo Freixo, Fernanda Abreu, Julio Ludemir (da Batalha dos Passinhos), Dom Filó, Silvio Essinger e Mariana Gomes, cuja Tese de Mestrado da UFF sobre a presença feminina no gênero causou a ira, em abril, de uma apresentadora de TV: “Se cultura é tudo o que o povo produz, funk é tão cultura quanto bossa nova”, bateu.

 

Também houve bombardeio no site da peça: “Vocês já estragaram a cultura musical do País e agora querem estragar o teatro!”. A maioria das empresas procuradas para fornecer apoio assim responderam: “Não queremos nosso produto associado ao funk”. Um recente comercial de TV de uma montadora internacional hostiliza: “O que você esperava? Um funk?”.

 

Na primeira temporada, a resistência foi tamanha que, após retirar o título “Funk Brasil” do flyer de divulgação, a frequência aumentou em mais de 30%. Um senhor que havia se recusado a assistir à peça não teve dúvidas em conferir e encher de elogios “40 Anos de Baile”, o codinome momentaneamente adotado. Mas graças ao boca-a-boca 100% positivo e à força de sua música que o espetáculo venceu o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, para circular por nove cidades dos estados de São Paulo, Goiás e Espírito Santo, em outubro. A circulação marcará a 2° edição do Projeto Teatro Sem Preconceito, que leva teatro gratuito para capitais e interior, mesmo às cidades desprovidas de salas teatrais. Na 1° edição do projeto, “Os Ruivos” chegou a mais de 60 municípios e 10 Estados.

 

Com a mesma intensidade do preconceito, veio também a enxurrada de pedidos para que a peça chegasse ao Centro do Rio, acessível a todos os cariocas. Se Petrobras e Governo do Estado do Rio garantiram o patrocínio da montagem,  por meio do Prêmio Montagem Cênica 2011, a atual temporada será viabilizada por uma vaquinha virtual, no site benfeitoria.com/funkbrasil. É preciso pagar despesas mínimas como aluguel de microfones, impressão de filipetas, sala de ensaio, etc. E garantir que essa história, de um gênero da periferia, legítima manifestação do nosso povo, continue a ser contada.

 

Baseado no livro “Batidão – Uma História do Funk”, de Silvio Essinger, “Funk Brasil – 40 anos de Baile” desafia o público a permanecer sentado enquanto, no palco, seis atores revivem esta expressão enérgica e polêmica da cultura nacional. Com direção de Joana Lebreiro (dos musicais “Meu Caro Amigo” e “Aquarelas do Ary”, do infantil “Coisas que a Gente Não Vê” e em cartaz com “Jumbo – Eu Visito a Tua Ausência”), a peça começa no Baile da Pesada, anos 70, Canecão, no soul de Big Boy, Dom Filó e Gerson King Combo. Mas é quando Hermano Vianna presenteia DJ Marlboro com uma bateria eletrônica que o gênero transforma-se para sempre. Depois, Latino, Claudinho & Buchecha e o “Rap da Felicidade” tomam o Brasil, de Norte a Sul, das crianças às vovós, e o país chora a perda de Claudinho. Entre a comoção e o riso, a dança e o canto, estes seis atores desdobram-se entre 64 músicas e personagens como Rômulo Costa, Caetano Veloso e a impagável Tati Quebra-Barraco. E a plateia descobre, maravilhada, a presença deste repertório em suas vidas, não importa o seu gosto musical. Mais um motivo, quem diria, para se ter orgulho de ser carioca.

Previous Adaptação de comédia de Oscar Wilde estreia na Caixa Cultural Rio
Next Cia. Os Melhores do Mundo faz primeira turnê em Nova York

About author

You might also like

da Redação 0 Comments

“Agreste Malvarosa” fará 10 apresentações com ingressos grátis

“Agreste Malvarosa” é um vigoroso manifesto poético. Uma fábula sobre a ignorância, o preconceito e o amor incondicional. Um ensaio sobre o corpo, a palavra e os sentimentos humanos. A

da Redação 0 Comments

Morre o ator e diretor Marcos Paulo

Aos 61 anos, ele morreu em casa de embolia pulmonar

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!