Peter Weiss: um documento para a eternidade

Peter Weiss: um documento para a eternidade

Por Daniel Pinton

“Uma agulha hipodérmica mergulhada diretamente na veia emocional do espectador. Hipnotiza o olhar e fere a orelha. Desfia os nervos; disseca a psique”. Foi assim que, certa vez, a revista “Time” classificou a obra de Peter Weiss. E não houve excessos. O pintor, diretor de cinema e dramaturgo marcou por abordar com densidade eventos trágicos da história sem fazer deles um manifesto, mas, sim, um documento artístico. Foi dessa forma também que o alemão nascido em Berlim, em 1916, estreou na literatura com o microrromance “A Sombra do Corpo do Cocheiro”, em 1960, e deu alma a relativamente poucas – porém marcantes – peças que escreveu durante a sua vida, com destaque para “Perseguição e Assassinato de Jean-Paul Marat, representado pelo Grupo Cênico do Hospício de Charenton sob a direção do Marquês de Sade”, mais conhecida como “Marat/Sade”, e para “O Interrogatório, Oratório em 11 Cantos”. Nesta última, o autor foi além: não apenas estudou o assunto, mas acompanhou o processo que julgou os criminosos de guerra de Auschwitz, além de visitar o campo de concentração nazista com os membros do tribunal. Não à toa, Weiss foi considerado o novo Brecht.

“A característica essencial dos textos de Peter Weiss, tanto ‘Marat/Sade’ quanto ‘O Interrogatório’, como eu os leio, é aquela própria de um dramaturgo talentoso que, ao abordar um tema dramático, trágico, não faz dele um manifesto, uma espécie de panfleto político, mas apropria-se da historia e da forma poética, já que é arte, e toca o coração do homem para que ele não se desumanize”, explica a diretora Eugênia Thereza de Andrade que, por sinal, foi a responsável pela escolha de “O Interrogatório” para o projeto 7 Autores, 7 Diretores, 7 Encontros – Intolerância, que ela coordena no Sesc Consolação, em São Paulo. A proposta é apresentar sete obras de diferentes autores sob a temática da intolerância. “Dentre os inúmeros textos contemporâneos que abordam a tragédia humana ocorrida em decorrência da intolerância, “O Interrogatório”, para mim, é o mais significativo e corajoso. Criou uma peça contundente sobre a opressão e o direito à liberdade”, diz.

Como um seguidor intelectual de Bertold Brecht, Weiss buscou em seus trabalhos mostrar os diversos lados de um ideal e dos personagens. Procurou narrar os fatos tal como eles ocorreram. Daí, a necessidade da presença do autor nos locais onde os eventos ocorreram e da maior ligação íntima possível com os atores reais da história. “Em cada testemunho, ao vê-los ou ouvi-los, você pode sentir e emocionar-se refletidamente sobre as opções que podemos assumir quando nos calamos diante da injustiça, por exemplo. Essas eram as questões principais para Brecht e Peter Weiss”, avalia Eugênia.

MARAT/SADE MARCA ÉPOCA
Foi “Marat/Sade”, imediatamente reconhecida pelos críticos como uma das obras mais importantes do teatro moderno, que, em 1964, deu a Peter Weiss fama e reconhecimento internacionais. A peça, encenada no Schiller Theater, em Berlim, foi extraordinariamente aclamada pela imprensa. A trama, dividida por Weiss em três esferas temporais, se passa em 1808, em um manicômio de Charenton, ao sudeste de Paris (França), onde o Marquês de Sade compõe e produz uma peça sobre o assassinato de Marat, ocorrido em 1793, e trata do conflito individualidade x necessidade de revolução. Na primeira versão, Weiss finalizou a peça com um impasse, mas, posteriormente, sua verve inundada pelo contra-senso falou mais alto e o autor concluiu em favor da revolução.

Após sucesso retumbante, o escritor alemão ainda escreveu para o teatro o musical político “A Balada do Fantoche Lusitano”, em 1967, que tratou das formas de colonialismo racial e econômico; “Discurso sobre os Preâmbulos e o Desenvolvimento da Interminável Guerra da Libertação Armada contra a Opressão e as Tentativas dos Estados Unidos da América de destruir os Alicerces da Revolução”, em 1968, sobre o papel dos Estados Unidos no Vietnã; “Como se ensinou o Senhor Mockingpott a deixar de sofrer”, também em 1968, que conta a história de um morador de rua detido pela polícia; “Trotsky no Exílio”, em 1969, sobre o processo revolucionário da Revolução Russa; “Hölderling”, em 1971, sobre um hipotético confronto do poeta e romancista Friedrich Hölderlin com Friedrich Hegel, Friedrich Schelling, Johann Fichte, Johann Von Goethe e Friedrich Schiller; e “Estética da Resistência”, em 1975, sobre um grupo de trabalhadores de Berlim politicamente motivado, ansioso de conhecimento, em 1937. Nesta peça, Weiss levou o experimentalismo às últimas consequências e demonstrou de maneira definitiva as convenções estruturais e formais do romance.

Além da fama internacional, o reconhecimento à obra de Peter Weiss veio, também, através de prêmios. Foram eles o Charles-Veillon Prize, em 1963; o Lessing Prize, em 1965; o Heinrich Mann Prize, em 1966; o Carl Albert Anderson Prize, em 1967; o Thomas Dehler Prize, em 1978; o Cologne Literature Prize, em 1981; e o Büchner Prize, o Bremen Literature Prize, o De Nios Prize e o Swedish Theatre Critics Prize, todos em 1982.

A partir de 1970, a produtividade do autor diminuiu por conta de um ataque cardíaco até praticamente parar, em 1973. Peter Weiss morreu em Estocolmo (Suécia), em 1982, aos 65 anos. Nada significativo o bastante para apagar aquilo que ele já havia deixado para a posteridade. “O mais marcante em Peter Weiss é sua capacidade de nos mostrar os fatos. Muitos dizem que seu teatro era documental e os documentos são eternos”, resume o produtor André Moretti.

Obras
1960 – “A Sombra do Corpo do Cocheiro”

1961 – “Adeus aos Pais”

1962 – “Ponto e Fuga”

1963 – “A Conversação dos Três Caminhantes”

1964 – “Perseguição e Assassinato de Jean-Paul Marat representado pelo Grupo Teatral do Hospício de Charenton sob a Direção do Marquês de Sade”

1965 – “O Interrogatório, Oratório em 11 Cantos”

1967 – “A Balada do Fantoche Lusitano”

1968 – “Como se ensinou o Senhor Mockingpott a deixar de sofrer”

“Discurso sobre os Preâmbulos e o Desenvolvimento da Interminável Guerra da Libertação Armada contra a Opressão e as Tentativas dos Estados Unidos da América de destruir os Alicerces da Revolução”

1969 – “Trotsky no Exílio”

1971 – “Hölderling”

1975 – “Estética da Resistência”

Previous Tudo pronto para a nona edição do Festival Estudantil de Teatro
Next Vida de Amy Winehouse pode virar musical

About author

You might also like

Vida & Obra 0 Comments

Vocação inabalável pela arte

Elias Andreato fala de sua paixão pelo teatro 

Vida & Obra 0 Comments

Os absurdos de Fernando Arrabal

Dramaturgo espanhol, idealizador do Teatro Pânico, veio ao Brasil e falou sobre a sua criação: uma nova tendência teatral Por Pablo Ribera Fernando Arrabal não é só o autor espanhol

Vida & Obra 0 Comments

Uma dama que não usa black-tie

Por Carlos Gabriel Alves Mais de meio século de carreira, atuação em cerca de 50 peças, 20 produções teatrais, participação em 25 telenovelas, oito aparições no cinema, trabalhos com dublagem,

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!