Os absurdos de Fernando Arrabal

Os absurdos de Fernando Arrabal

Dramaturgo espanhol, idealizador do Teatro Pânico, veio ao Brasil e falou sobre a sua criação: uma nova tendência teatral

Por Pablo Ribera

Fernando Arrabal não é só o autor espanhol mais encenado no mundo. Trata-se de um dos poucos autores do chamado Teatro do Absurdo que ainda vivem e produzem. Criou uma nova categoria, algo novo até então, o Teatro Pânico. Controvertido, cultiva uma estética irreverente tanto na sua obra quanto nas suas aparições públicas. Recebeu o reconhecimento internacional pela sua obra narrativa (11 novelas), poética (diversos livros ilustrados por Amat, Dalí, Magritte, Miotte e Saura, entre outros), dramática (numerosas obras de teatro publicadas em dezenove volumes) e cinematográfica (seis longas-metragens).
Arrabal é um dramaturgo e novelista de grande sucesso, um dos mais produtivos artistas de seu tempo. Abandonou sua terra natal em 1955, segundo ele mesmo diz, “por motivos de liberdade”. Desde então, vive exilado na França. Criador versátil e inquieto, iniciou, na década de 1960, o Teatro Pânico, movimento que se diferencia de outras tendências artísticas e que teve como influências o dadaísmo e o surrealismo – foi fundado em Paris, junto com Alejandro Jodorowsky, cineasta chileno, e Roland Topor, pintor, escritor e ator francês, cujo manifesto expressava a intenção de conciliar o absurdo com o cruel, identificar a arte com o vivido e adotar a cerimônia como forma de expressão.
O Teatro Pânico, que o próprio Arrabal qualifica como presidido pela confusão, pelo humor, pelo terror, pelo azar e pela euforia, está baseado na busca formal, tanto espacial quanto gestual, e na incorporação de elementos surrealistas na linguagem. Arrabal explica que esse tipo de teatro, enquadrado na tendência do absurdo, assume o olhar do menino (poupado de toda racionalização) e concebe o cenário como centro de confusão, de terror, de euforia, de caos, mas também culto da felicidade e desprezo de toda lei moral. Através de suas estreias e sua publicação, em Paris, o teatro de Fernando Arrabal alcançou renome universal.

Infância (1932-1946)
Fernando Arrabal Terán nasceu na cidade de Melilla, na Espanha, no dia 11 de agosto de 1932. Foi o segundo filho do oficial do Exército espanhol, Fernando Arrabal Ruiz, e de Carmen Terán González. Em julho de 1936, durante o pronunciamento militar que provocou a Guerra Civil Espanhola, o pai de Fernando Arrabal se manteve fiel à República, o que causou sua condenação à morte pelos rebeldes. A pena foi mais tarde substituída por 30 anos de prisão. Fernando Arrabal Ruiz passou pelas prisões de Monte Hacho, em Melilla (aonde tentou se suicidar) e Ciudad Rodrigo e Burgos, até que, em dezembro de 1941, foi trasferido para o Hospital de Burgos, com uma suposta doença mental. Investigações posteriores sugeriram que a doença foi inventada para que ele fosse levado a um lugar menos vigiado.
No dia 21 de janeiro de 1942, Fernando Arrabal pai fugiu do hospital, de pijama, com um metro de neve sobre os campos. Jamais houve alguma outra notícia dele, apesar das buscas minuciosas que foram feitas. Tal acontecimento traumatizou Arrabal filho, que sofreu bastante com o desaparecimento do pai.
Enquanto isso, em 1936, a mãe de Arrabal voltou a Ciudad Rodrigo, onde se instalou junto a Arrabal e seus dois irmãos enquanto ela ia trabalhar em Burgos, naquela época capital de Bando Nacional e residência do General Francisco Franco, que, na época, governava ditatorialmente a Espanha. Em 1937, Fernando ingressou no Colégio das Teresianas, até que, em 1940, terminada a Guerra Civil, a mãe e os irmãos se instalaram em Madrid.
Em 1941, Fernando Arrabal ganhou um concurso de crianças superdotadas e uma vaga no Colégio de los Escolapios de San Antón, mas, no ano seguinte, mudou-se para o Escolapios de Getafe. Nessa época, Arrabal começou suas experiências de garoto de rua e suas escapadas de casa. Estas experiências, segundo ele mesmo reconhece, foram muito úteis em sua vida.

Juventude (1947-1957)
Em 1947, a mãe de Arrabal o obriga a começar os cursos preparatórios para entrar na Academia General Militar, mas Arrabal não assiste as aulas. Em 1949, é enviado a Tolosa (Guipúzcoa) onde estuda na Escola Teórico-Práctica da Indústria e Comércio do Papel. Nessa época, em 1950, Arrabal escreve uma série de obras teatrais, hoje inéditas. Em 1951, começa a trabalhar na Papelera Española. É mandado para Valência, onde termina o colegial, e logo vai a Madrid, onde, em 1952, começa a estudar Direito. Durante esses anos, Arrabal frequentou o Ateneu de Madrid e os poetas postistas, além de escrever novas versões de Pic-Nic (então chamada Los soldados) e El triciclo (chamada inicialmente Los hombres del triciclo).
Em 1954, viaja a Paris, onde vê a representação da obra “Madre Coraje y sus hijos” (Mãe Coragem e seu filhos), de Bertolt Brecht, que Berliner Ensemble apresentou no teatro Sarah Bernhardt, na capital francesa. Em 1955, consegue uma bolsa de estudos de três meses na capital francesa, e, enquanto mora no Colégio de España de la Cité Universitaire, adoece gravemente de tuberculose. Arrabal sempre considerou esta doença como uma “desgraçada sorte” que lhe permitiu ficar definitivamente onde considera hoje a sua verdadeira pátria, a França.

Processo e prisão
Foi julgado pelo o regime franquista e preso em 1967, apesar da solidariedade da maioria dos escritores daquela época, desde François Mauriac até Arthur Miller e do requerimento do célebre dramaturgo irlandês Samuel Beckett. A morte do General Franco, em 1975, lhe permitiu alcançar um verdadeiro reconhecimento em seu país natal. Algumas de suas peças ficaram constantemente em cartaz durante anos, como a “Carta de Amor com María Jesús Valdés”, no Teatro Nacional.
Em 1989, protagonizou um episódio que alcançou grande fama na Espanha, ao comparecer com evidentes sinais de embriaguez na reunião televisiva de Fernando Sánchez Dragó. Suas constantes interrupções ao grito de “falemos do milenarismo”, assim como seu passeio cambaleante por todo o estúdio, marcaram um antes e um depois a respeito da fama de Arrabal entre o público médio espanhol. Arrabal é provavelmente o dramaturgo mais representado na atualidade. Ele realizou sete longa-metragens como diretor.
Fernando Arrabal escreve há 30 anos a crônica de xadrez da “L’Express” e colabora nos jornais espanhóis “El Mundo”, “El País” e “ABC”. O autor esteve em São Paulo, no Instituto Cervantes, dia 10 de agosto, para participar da mesa de debates “Um Certo Arrabal”. O convite foi do diretor Reginaldo Nascimento, do Teatro Kaus Cia. Experimental, que está produzindo a peça “O Grande Cerimonial”, texto de Arrabal.

Prêmios
Apesar de ser um escritor polêmico, Arrabal recebeu prêmios internacionais por sua obra (Grande Prêmio de Teatro da Academia Francesa, o Nabokov de novela, o Espasa de ensayo, o World’s Theater, entre outros).
Narrativa
Fiesta y ritos de la confusión
La torre herida por el rayo
La virgen roja
La hija de King Kong
La extravagante cruzada de un castrado enamorado
La matarife en el invernadero
Levitación
El mono
La piedra iluminada
El entierro de la sardina
Un teniente abandonado
Porté disparu
Champagne pour tous
Com suas novelas, ganhou o prêmio Nadal e o Nabokov Internacional.
Obra poética
Tem livros ilustrados por Pablo Picasso, Salvador Dalí, René Magritte, detre outros, entre os que se destacam Mis humildes paraísos e La piedra de la locura
Obra dramática
Uma centena de obras de teatro publicadas em 19 volumes:
El triciclo (1953)
Fando et Lis (1955)
Guernica (1959)
La Bicicleta del condenado (1959)
El Gran Ceremonial (1963)
El arquitecto y el emperador de Asiria (1966)
El Jardín de las delicias (1967)
El laberinto (1967)
Bestialidad erótica (1968)
El Cielo y la Mierda (1972)
El cementerio de automóviles (1959)
Jóvenes bárbaros de hoy
…Y pusieron esposas a las flores
La tour de Babel
Inquisición
Carta de amor (como un suplicio chino)
La noche también es un sol
Delicias de la carne
Uma de suas obras dramáticas mais importantes é El arquitecto y el emperador de Asiria, uma obra escrita na segunda etapa de sua vida drámática.
Ensaios
La dudosa luz del día
El Greco
Bobby Fischer: el rey maldito
Carta al GeneralFranco
1984: Carta a Fidel Castro
Carta a Stalin
Un esclavo llamado Cervantes
Goya-Dalí
Echecs et mythes
Fêtes et défaites sur l’échiquier
Les échecs féériques et libertaires

Previous Teatro e pacotes culturais impulsionam o turismo
Next A memória da terra

About author

You might also like

Vida & Obra 0 Comments

Uma dama que não usa black-tie

Por Carlos Gabriel Alves Mais de meio século de carreira, atuação em cerca de 50 peças, 20 produções teatrais, participação em 25 telenovelas, oito aparições no cinema, trabalhos com dublagem,

Vida & Obra 0 Comments

João do Rio: poesia de prosa na literatura

A arte de flanar com literatura, teatro e crônica
Vida & Obra 0 Comments

Ida Gomes, uma estrela que sempre vai brilhar

Atriz, falecida no último dia 22 de fevereiro, deixa um legado de 65 anos dedicados à interpretação no teatro, na TV e no cinema

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!