Festlip promove intercâmbio cultural entre países lusófonos

Festlip promove intercâmbio cultural entre países lusófonos

Por Daniel Pinton

Se por um lado a aplicação do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa trouxe a equiparação da escrita entre os países colonizados por Portugal, a segunda edição da Festlip (Festival de Teatro da Língua Portuguesa), ocorrida de entre os dias 2 e 12 de julho, no Rio de Janeiro, celebrou as diferenças culturais entre Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e Portugal. Além de 11 espetáculos teatrais, abertos ao público, encenados por grupos destes países no Espaço Sesc, no Sesc Tijuca e no Teatro Sesc Ginástico, eventos temáticos foram promovidos pela cidade em busca de maior intercâmbio de informações entre os representantes da língua lusófona.
“Um dos objetivos do festival é justamente tornar possível este diálogo entre as linguagens de trabalho em diferentes culturas, de tornar viável um encontro de irmãos de língua para uma comunicação sem fronteiras. Se a unificação do idioma é uma questão complexa, a unificação pelo teatro também é, mas tem se tornado realidade. Através das artes cênicas, pode-se refletir sobre esta questão. A ideia é, inclusive, criar um banco de dados com os atores de língua portuguesa e, no futuro, dar origem a uma cooperativa de profissionais de teatro”, projeta Tânia Pires, idealizadora e produtora do Festlip.
O movimento artístico do festival, no entanto, não ficou restrito apenas aos palcos teatrais. No dia 4 de julho, o Estrela da Lapa recebeu o Festlipshow, uma série de apresentações musicais com artistas lusófonos como Fidjus e Mario Lucio, de Cabo Verde; Abel Duerê, de Angola; DJ Falcão e Bongar – Coco da Xambá, do Brasil. A gastronomia dos países também se fez presente desde a abertura do festival e pode ser conferida até o dia 31 de julho, durante a Mostra Gourmet – O Sabor da Língua Portuguesa, no Restaurante 00 Cozinha Contemporânea, na Gávea (anexo ao Planetário).
“Ainda existe, no Brasil, o não despertar para o conhecimento e consumo das culturas dos nossos irmãos de língua. Enquanto isso, a cultura brasileira adentra sem grandes dificuldades e permeada de aplausos em todos os países da língua lusófona. Na primeira edição do Festlip, ficou claro que a unificação da língua falada é algo intangível. A peculiaridade das expressões e vocabulários é a referência mais forte de um povo. Essa distância só tem um caminho a ser quebrada, através do intercâmbio cultural entre esses países”, justifica Tânia.
Nesta edição do festival, o homenageado e ganhador do Troféu Festlip – 2009 foi o premiado escritor e dramaturgo moçambicano Mia Couto, protagonista de expressiva contribuição e aprimoramento do teatro em seu país. O prêmio revelação ficou com o grupo português Artistas Unidos pela peça “Uma Solidão Demasiado Ruidosa”.


Espetáculos encenados

De Angola:
– Grupo Elinga Teatro
Espetáculo “Kimpa Vita: A Profetiza Ardente” – texto e direção de José Mena Abrantes
– Grupo Horizonte Nzinga Bandi
Espetáculo “Sobreviver no Tarrafal” – texto de Antônio Jacinto e direção de Adelino Caracol

Do Brasil:
– Cia. Luna Lunera (Belo Horizonte-MG)
Espetáculo “Cortiços” – concepção da Cia. Luna Lunera e Tuca Pinheiro e direção de Tuca Pinheiro
– Cia. de Teatro Antroexposto (São Paulo-SP)
Espetáculo “Complexo Sistema de Enfraquecimento as Sensibilidade” – texto e direção de Ruy Filho

De Cabo Verde:
– Grupo de Teatro do Centro Cultural Português de Mindelo
Espetáculo “No Inferno” – texto e direção de João Branco
– Companhia de Teatro Solaris
Espetáculo “Psycho” – texto de Valódia Monteiro e direção de Herlandson Lima Duarte

De Guiné Bissau:
– Grupo Teatro do Oprimido – Bissau GTO
Espetáculo “Nó Mama – Frutos da Mesma Árvore”

De Moçambique:
– Grupo M’BEU
Espetáculo “O Homem Ideal” – texto e direção de Evaristo Abreu
– Grupo Tijac
Espetáculo “Mar Me Quer” – texto de Mia Couto e direção de Mickael Fontaine

De Portugal:
– Companhia Teatral Primeiros Sintomas
Espetáculo “Lindos Dias” – texto de Miguel Castro Caldas e direção de Bruno Bravo
– Companhia Teatral Artistas Unidos
Espetáculo “Uma Solidão Demasiado Ruidosa” – texto de Bohimil Hrabal e direção de Antônio Simão

Previous Com sucesso, FIL leva programação multicultural a São Paulo
Next Paulo Betti: Sem medo de inovar e de dar opinião

About author

You might also like

Festivais 0 Comments

7ª edição do Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens celebra o Ano da França no Brasil e chega a São Paulo

Por Daniel Pinton Comemorando a sua sétima edição e celebrando o Ano do França no Brasil, o FIL (Festival Internacional Intercâmbio de Linguagens) oferece ao público carioca, até o dia

Festivais 0 Comments

Circuito Cultural Belgo Bekaert

Circuito Cultural Belgo Bekaert promove várias atrações teatrais gratuitas em Feira de Santana Quarta edição do Circuito será aberta, no próximo dia 31 de maio, com espetáculo infantil em homenagem ao Rei do Baião 

Festivais 0 Comments

FIT Bahia 2013: Festival Nacional Ipitanga de teatro abre incrições

O FIT Bahia se estabelece como uma das mais importantes mostras de teatro competitivos do Brasil atraindo grupos de vários estados

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!