Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Ouvir

Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Ouvir

Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir é o segundo espetáculo do projeto 18 ANOS DEZEQUILIBRADOS e o 40º que Ivan Sugahara dirige.  Contemplado pela linha de fomento da Secretaria Municipal de Cultura, a peça de Tennessee Williams será encenada de modo itinerante, com os atores da companhia Ângela Câmara e Saulo Rodrigues percorrendo vários ambientes da Casa da Glória. A montagem estreia no dia 07 de junho, ficando em cartaz até 17 de agosto, sempre aos sábados e domingos em duas sessões, às 14h e às 16h. O primeiro espetáculo a estrear foi Amores, de Domingos Oliveira. Também sob a direção de Sugahara e patrocínio do FATE, a peça está em cartaz na SEDE DAS CIAS desde 15 de março e devido ao sucesso teve sua temporada prorrogada até 02 de junho.

“O amor. Como é bom e como é difícil. Acreditando que a arte nos ajuda a viver melhor, voltamos mais uma vez ao tema. Os Dezequilibrados já se debruçaram sobre o amor em espetáculos como “Quero ser Romeu e Julieta” e “Memória Afetiva de um Amor Esquecido”, além de outros. Contudo, a sensação de que ainda havia muito a descobrir nos incitou a duas novas aventuras. A primeira foi a montagem de “Amores”, de Domingos Oliveira, certamente o dramaturgo brasileiro que melhor discorreu sobre o tema. Contudo, o próprio me confidenciou: “passei a minha vida inteira falando de amor e ainda não sei nada sobre isso”. Assim, munidos da certeza do fracasso de nossa missão, o que não a torna menos bela, chegamos à segunda aventura, a encenação de “Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir”, de Tennessee Williams. Se “Amores” acerca-se da possibilidade do amor, aqui pensamos sobre a sua impossibilidade. Sobre a dificuldade de nos relacionarmos”, explica Ivan Sugahara.

Para comemorar seus 18 anos, o grupo planejou a montagem de três novos trabalhos, celebrando a sua história e também o seu momento atual. O último a estrear será Jardins Portáteis, espetáculo performático de Cristina Flores realizado em parceria com a Pangeia cia.deteatro, que ficará em cartaz em julho e agosto, na SEDE DAS CIAS. Em 2013, a companhia recebeu o patrocínio da Petrobras por meio do programa de patrocínio a grupos teatrais. O projeto se estende até 2016 e prevê uma série de atividades, dentre as quais a manutenção da SEDE DAS CIAS, localizada na Escadaria Selarón, na Lapa, no Centro do Rio. Reaberta em agosto de 2013, sob a gestão d’ Os Dezequilibrados e da Nevaxca Produções, a casa vem se firmando como um espaço voltado para o repertório de grupos de teatro, tendo outras duas companhias residentes além dos Dezequilibrados, a Cia. dos Atores e a Pangeia cia.deteatro.

FALA COMIGO COMO A CHUVA E ME DEIXA OUVIR

A peça apresenta um casal cuja relação está em crise. Em um quarto, um homem e uma mulher trocam palavras, mas não se comunicam. Há um desejo de falar, mas não necessariamente um com o outro. Desgastados, não conseguem se relacionar, nem se separar. A trama concentra em apenas um ato o desespero existencial que marca a obra de Williams. Em seu íntimo, os personagens sabem que o amor não pode salvá-los da solidão. Assim, por meio deste casal em crise, o dramaturgo faz um retrato emocionado e pungente da própria condição humana. Um jogo ao mesmo tempo realista e simbolista, marcado pela constante chuva que cai fora da casa, traduzindo a melancolia dos personagens. O grupo procurou dar à peça uma linguagem poética, recorrendo ao uso intenso de música, sonoplastia e vozes em off, além de elementos naturais como a água e a luz do sol, daí o horário vespertino. 

O espetáculo dá continuidade a investigações cênicas que o grupo vem desenvolvendo como a atuação em espaços não convencionais, a busca de novas formas de relação com o espectador e o diálogo com a linguagem cinematográfica. A encenação é realizada na Casa da Glória, de forma itinerante. Ao explorar os dois andares da casa, suas diversas salas, pátio e piscina, a peça pretende buscar a correspondência cênica de procedimentos cinematográficos como a edição e o movimento de câmera. Com a circulação pelo espaço, não apenas horizontal, mas também vertical, o público pode experimentar diferenciados pontos de vista das cenas: de cima, de baixo, de lado. De modo análogo, o deslocamento do olhar do espectador ao andar é assemelhado a um ‘travelling’ cinematográfico. O uso itinerante do espaço permite, portanto, importar esses procedimentos da tela para a cena, possibilitando novos modos de recepção teatral. 

Com um grande enfoque na relação ator-espectador, estabelecer um canal comunicativo aberto e intenso com a plateia é uma das preposições fundamentais da companhia. O desejo artístico é que a cada dia não haja apenas apresentações, mas também, e principalmente, compartilhamentos. Espetáculos anteriores do grupo, como “Um quarto de Crime e Castigo”, “Bonitinha, mas Ordinária”, “Vida, o Filme” e “Memória Afetiva de um Amor Esquecido” foram realizados respectivamente em um apartamento, uma boate, um cinema e um edifício. Nesses trabalhos, Os dezequilibrados vêm investigando uma recoloca­ção espacial da cena para experimentar novas possibilidades de relação com o público. Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir dá prosseguimento a essa pesquisa, utilizando uma casa, reduto da intimidade.

 

Temporada: de 08 de junho a 17 de agosto de 2014

Local: Casa da Glória (Ladeira da Glória, 98 – Glória)

Informações: 3259-3554

Horário: Sábados e Domingos, às 14h e às 16h (duas sessões por dia)

Gênero: Drama

Duração: 60 minutos

Ingresso: R$30,00

Bilheteria: aberta 1h antes de cada sessão

Capacidade: 30 lugares

Classificação: 14 anos

Obs: Não haverá apresentação nos dias de jogos do Brasil. Em caso de chuva serão distribuídos guarda-chuvas e capas de chuva.

 

Previous O canto do cisne
Next ‘A vida sexual da mulher feia'

About author

You might also like

Reportagens 0 Comments

Mercado teatral dança conforme o som dos musicais

Espetáculos são cada vez mais sucesso no Brasil e ajudam a empregar artistas e técnicos

Há 10 anos, eram poucos os musicais em cartaz no Brasil, o que contrastava com os megassucessos de espetáculos como “Cats” e “O Rei Leão” na Europa e nos Estados Unidos.

Reportagens 0 Comments

Cantores brasileiros de renome também foram interpretados por grandes atores

Não só mulheres marcaram os musicais recentes no Brasil. Alguns dos maiores nomes masculinos da dramaturgia nacional já entraram para a história por grandes atuações, nas quais encarnavam o espírito

Reportagens 0 Comments

Sem chance para dizer Adeus!

Morte de Juliana de Aquino no AF 447 deixa o mundo dos musicais de luto. Cantora, que fazia sucesso na Alemanha, veio visitar a família.

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!