Cultura Inglesa apoia espetáculos de dramaturgos britânicos

Cultura Inglesa apoia espetáculos de dramaturgos britânicos

Por Pablo Ribera

O centro de educação Cultura Inglesa trabalha no Brasil com o propósito de não ser apenas uma escola de idiomas, mas, também, como propagadora da cultura britânica no nosso País. E uma de suas ferramentas para concretizar esse projeto é o teatro. A escola apoia espetáculos realizados por dramaturgos de origem britânica, visando um entendimento maior das pessoas sobre a importância desses autores. “O que fazemos são pequenos apoios a peças em cartaz, para que, assim, a cultura da Grã-Bretanha seja propagada no Brasil”, disse o gerente cultural da escola, Laerte Mello.
Um exemplo é o patrocínio do centro de educação para a peça “DNA”, de Dennis Kelly. No enredo, um grupo de adolescentes comete um grave erro por levar uma brincadeira às últimas conseqüências e, na tentativa de ocultar o ato, se envolve em uma série de acontecimentos que complicam, cada vez mais, a delicada situação.
Além de apoio, a Cultura Inglesa promove uma série de espetáculos culturais baseados em autores ingleses. O Cultura Inglesa Festival, realizado anualmente, apresenta formato original, inaugurado em 2004, no qual a cultura britânica é interpretada e recriada por artistas brasileiros das áreas de artes visuais, do cinema, da dança e do teatro adulto e infantil. Com o patrocínio da Cultura Inglesa, os projetos escolhidos por uma curadoria de jornalistas, acadêmicos e artistas das diversas áreas se transformam em 15 atrações produzidas especialmente para o festival.
Na última edição, em maio deste ano, a Cultura Inglesa disponibilizou, ao todo, R$ 487 mil para patrocinar a produção dos projetos selecionados. Dessa verba, R$ 25 mil foram destinados para premiar as melhores produções. O patrocínio para cada um dos três projetos escolhidos por área foi distribuída da seguinte maneira: R$ 36 mil (Teatro Adulto), R$ 31 mil (Teatro Infantil, Dança e Cinema Digital de ficção e animação) e R$ 25 mil para Artes Visuais.
Uma das peças premiadas foi “Celebração”, do inglês Harold Pinter. A história se passa em um restaurante, onde os personagens Julie e Lambert comemoram seu aniversário de casamento, acompanhados de um casal formado pela irmã dela, Prue, e do irmão dele, Matt. Em outra mesa, o banqueiro Russel celebra seu sucesso pessoal com a esposa Suki. A vulgaridade e insensibilidade grosseira desses personagens é a característica principal da obra.
Encenadas em português, as peças de teatro adulto devem ser de autoria de dramaturgo britânico ou inspiradas em textos literários ou poéticos de autores britânicos, e ser dirigida ao público jovem (a partir dos 14 anos). Os espetáculos infantis deverão ser voltados a crianças a partir de 7 anos e inspirados na arte ou na cultura inglesa. As montagens poderão seguir padrões convencionais de encenação ou adotar os formatos dos espetáculos de rua e teatro de bonecos. Os projetos de dança deverão propor coreografias inéditas inspiradas na obra de um ou mais artistas plásticos britânicos. A temática deverá ser dirigida a jovens a partir de 14 anos.
Os candidatos podem acessar o site www.culturainglesasp.com.br/festival para conhecer o regulamento do processo de seleção, obter cópia da ficha de inscrição e esclarecer dúvidas por meio do e-mail festival@culturainglesasp.com.br. As inscrições para a 14ª edição do festival já estão abertas.

Previous E o prêmio vai para...
Next Da Bahia para o Brasil

About author

You might also like

Bastidores 0 Comments

Zorro – O Musical

A famosa marca da espada de Zorro estará nos palcos brasileiros com “Zorro – O Musical”, espetáculo ainda sem previsão de estreia, mas que já contou com audições no final

Bastidores 0 Comments

Nova dramaturgia recebe Prêmio Carlos Carvalho

A Cidade do Circo dos Dias Iguais é uma fábula sobre a busca pela perfeição. Conta a história de João, um nordestino que decide tentar a vida no Sudeste, mas

Bastidores 0 Comments

Gero Camilo apresenta processo de construção de “Lá Fora vai Estar Chovendo Sempre”

Doce, dramática, forte, brilhante… Juvenil, lírica, interpretativa… Traços da personalidade de uma mulher exuberante? Pode até ser (se é que beldade perfeita assim existe), mas a “dama” em questão atende pelo nome de voz.

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!