Ary Fontoura, sinônimo de talento e sensibilidade

Ary Fontoura, sinônimo de talento e sensibilidade

Por Alysson Cardinali Neto

Para quem ainda não ligou tais nomes à pessoa de Ary Fontoura, trata-se de parte da seleta lista de personagens às quais o ator – com raro talento e versatilidade de sobra – deu vida nas novelas “Tieta” (1989), “Bebê a bordo” (1988), “Roque Santeiro” (1985), “Amor com amor se paga” (1984) e “Guerra dos sexos” (1983). Uma carreira intensa e vitoriosa. São mais de 50 anos em ação, não só na telinha, mas nos palcos das salas de teatro e no cinema, onde este aquariano (nascido em Curitiba, no dia 27/1/1933) invariavelmente encanta plateias dos mais variados gostos. Eclético, Ary brilha com sua estrela em papeis dramáticos ou cômicos e tem como meta a entrega absoluta ao trabalho. “É através dele que eu exercito a vida”, diz, sem esconder sua paixão pela arte. “Sem ela, não seria a pessoa que sou.”
Ary Fontoura começou cedo o caminho para se tornar o ator talentoso que é. Aos quatro anos de idade já imitava os adultos ao seu redor e criava cenas teatrais. “Aos dez anos, comecei a cantar em programas infantis da Rádio Clube Paranaense. E daí, ninguém me segurou mais, pois tomei consciência que seria um artista”, revela Ary, que começou a fazer teatro no Colégio Estadual do Paraná. Em 1950, criou a Sociedade Paranaense de Teatro e, em 1955 (ao lado de Glauco de Flores de Sá Brito), o Teatro Experimental do Guaíra, onde atuou em “É Proibido Suicidar-se na Primavera”, primeira montagem teatral independente a apresentar-se no Auditório Salvador de Ferrante (Guairinha). Em 1956, dirigiu “Sinhá Moça Chorou”, de Ernâni Fornari, e “Uma Mulher do Outro Mundo”, de Noel Coward. Em 1958, fundou o antigo (e extinto) Teatro de Bolso, na Praça Rui Barbosa, na capital paranaense.
“Acredito que toda a trajetória que vivi em Curitiba, foram 15 anos, contribuiu para a formação do meu ator. Lá eu fiz rádio, cinema, televisão e teatro e nenhum trabalho com menor importância”, avalia Ary, cuja formação artística vem do corajoso ato de viver a vida intensamente, uma escolha que formaria não só seu caráter, mas aprimoraria sua vocação. Afinal, Ary chegou a engraxar sapatos, trabalhou como cozinheiro em uma lanchonete e cursou até o último ano da faculdade de direito. Atitudes que moldaram, também, a sua sensibilidade. “Eu, desde os oito anos, trabalho e me sustento. E vejo que trabalhar é coisa de Deus. Afinal, cabeça vazia é oficina do diabo”, ensina.

Temporada Carioca
A necessidade de ampliar seus objetivos, segundo o ator, o trouxe para o Rio de Janeiro, em uma data, no mínimo, inusitada: 31 de março de 1964, dia em que foi instituído o Ato Institucional Número 5 (AI-5), que mergulhou o Brasil em um dos períodos políticos mais conturbados de sua história, em uma ditadura que durou 20 “intermináveis” anos. “Foi um dia em que todo mundo estava saindo das ruas. Cheguei quando se instalava o regime e todos pagamos a conta da censura e da crueldade da ditadura, mas, hoje, não me vejo vivendo em outra cidade. Também elegi o Rio como a minha Cidade Maravilhosa”, revela, com carinho, Ary, que, apesar da total adaptação à cidade e à trajetória profissional vitoriosa que construiu desde que deixou Curitiba, ainda mantém a humildade de menino quando fala sobre a fama: “Fama é reconhecimento de trabalho bem feito. O mais importante, porém, é o respeito ao público, responsável por te dar essa posição.” Ary evita vangloriar-se pelo sucesso obtido ao longo de sua carreira. “Não sou tão virtuoso quanto pensam, mas luto pela generosidade e pela humildade”, diz. Ele prefere falar, mesmo, é de teatro, uma de suas paixões. “O teatro é a base do ator, é a base de tudo”, ensina, aproveitando para mandar um recado à nova geração de atores. “Meu conceito com relação à nova geração é o melhor possível. Os jovens atores, que não estão no teatro, precisam ter o teatro dentro de si. A minha dica a eles é que trabalhem, trabalhem e trabalhem”, frisa.

Pages: 1 2

Previous A arte de fazer ouvir
Next Lançado o edital para ampliação do TCA, em Salvador

About author

You might also like

da Redação 0 Comments

Peça do Teatro da Vertigem é registrada em dois documentários

Famoso por suas montagens ousadas e por pensar constantemente na reformulação do espaço cênico, o Teatro da Vertigem encontrou na peça BR-3 um de seus momentos mais emblemáticos.

da Redação 0 Comments
da Redação 0 Comments

Mostra Internacional de Teatro acontece em junho na capital federal

 

O público brasiliense terá a oportunidade, durante todo o mês de junho, de assistir espetáculos teatrais de alguns dos mais importantes grupos da Argentina, Itália, Rússia e França.

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!