Amor, amizade e destino de amigas são elementos do texto de Carla Faour

Amor, amizade e destino de amigas são elementos do texto de Carla Faour

Por Rubens Barizon (texto adaptado)
Da Redação

Carla Faour é indicada ao 25º Prêmio Shell de melhor autor(a) com texto que engatilha o destino de amigas apaixonadas pelo mesmo rapaz. “Obsessão” faz parte da programação de ocupação Complexo Duplo no Teatro Gláucio Gill e conta com um processo de criação interativo.

Trama mostra o que ex-amiga é capaz de fazer para se vingar de traição. Livia e Marina são amigas inseparáveis, confidentes, com um belo futuro pela frente. A amizade começa a desandar quando Livia se apaixona por Marcelo e começam a namorar. Marina torna-se testemunha ocular da felicidade da amiga. E, de tanto escutar Lívia falar das qualidades do rapaz, acaba apaixonada por ele.

 

“Obsessão” é um texto que nasceu no www.dramadiario.com, um site pioneiro formado por sete dramaturgos da cena contemporânea carioca. Lançado em maio de 2008, o site conta com cerca de 500 textos publicados, tornando-se o maior acervo inédito de dramaturgia na web. Em 2011, o site foi reformulado com uma nova proposta: Produzir dramaturgia em série. Ao invés de cenas curtas, com temas pré-definidos, os autores publicaram sete histórias em capítulos semanais. O formato teve grande êxito e desta forma “Obsessão” foi escrita. 

Como parte importante do processo, os internautas puderam acompanhar, durante quatro meses, os 15 capítulos da história. “Os internautas comentavam os capítulos, emitiam opiniões sobre a história, por vezes criticavam atitudes de alguns personagens,sem interferência na dramaturgia” comenta Carla Faour.

O texto fragmentado explorou elementos do melodrama, experimentando novas possibilidades para o folhetim. A experiência do uso da internet como suporte promoveu o diálogo entre o passado e o presente, fazendo uma releitura do gênero. 

A ordem cronológica das cenas é subvertida a todo o instante, sem linearidade. A vida das duas mulheres é repassada em ritmo vertiginoso. Passado e presente alternam-se na estrutura dramatúrgica, através de flashbacks e avanços no tempo. A história de duas amigas é apenas o ponto de partida para investigar o universo feminino e suas sutilezas. A rivalidade entre elas torna-se a mola propulsora para falar de questões fundamentais que afligem a todos nós: a natureza das relações amorosas, anseios, frustrações, realização profissional, maternidade, padrões de beleza, casamento e solidão.  

O texto faz uso do narrador em terceira pessoa, um recurso muito usado nos folhetins. Com um olhar crítico e  poético, aliado a um humor ácido. O narrador aparece no papel de mestre de cerimônias e conduz o publico através da saga das personagens. Grande parte da ação se passa em Lisboa. A cidade é evocada durante todo o espetáculo como um arquétipo, as nossas raízes – o início. Embora, Lívia e Marina não tenham nenhuma relação, são próximas como irmãs, rivais como inimigas de guerra e conectadas desde todo o sempre. 

A proposta foi tão bem sucedida que reforçou a ideia inicial: escrever uma obra virtual que, posteriormente, fosse encenada. “Obsessão” saiu das páginas da web para o palco. Carla Faour faz parte do Drama Diário junto com Camilo Pellegrini, Felipe Barenco, Henrique Tavares, Leandro Muniz, Renata Mizzrahi e Rodrigo de Roure.

“Obsessão” é um daqueles espetáculos difíceis de classificar, com o riso e a emoção misturados e iniciados em 2006, com a montagem de “A Força do Destino”, adaptação de Carla Faour, do romance homônimo de Nélida Piñon, Carla também adaptou para o teatro outro folhetim, “Nenê Bonet”, único romance de Janete Clair. Ambos os espetáculos com direção de Henrique Tavares. A montagem de “Obsessão” pretende aprofundar a pesquisa sobre o folhetim e o melodrama. 

“A Arte de Escutar”, o seu primeiro texto original, estreou em 2008 e alcançou sucesso de público e crítica. Com o espetáculo, Carla foi indicada aos principais Prêmios do Teatro Carioca: Shell, APTR e Contigo de Teatro. O texto foi traduzido para o inglês com o título The Art of Listening e montado em Toronto, Canadá. Em 2010 estreou “Açaí e Dedos”, sendo indicada ao Prêmio Contigo de Teatro 2010 – Categoria melhor autor. 

Patrocinado pela Prefeitura do Rio de Janeiro com o Fundo de Apoio ao Teatro “Obsessão” reúne no elenco os atores Ana Baird, Antonio Fragoso, Carla Faour, Celso Taddei e Daniel Belmonte, sob a direção de Henrique Tavares.

O texto de Carla Faour por “Obsessão” venceu o 2º Prêmio Fita e concorre ao 25º Prêmio Shell de melhor autor com a Julia Spadaccini por “Quebra-Ossos”, Maurício Arruda Mendonça e Paulo Moraes por “A marca da água” e Pedro Kosovski por “Cara de cavalo”.

Previous Recomeço do ciclo anual
Next Não custa nada salientar a possibilidade

About author

You might also like

da Redação 0 Comments

Teatro Popular de Ilhéus apresenta espetáculo Medida por Medida em Salvador

Inspirado na obra homônima do dramaturgo britânico William Shakespeare, o espetáculo “Medida Por Medida” é uma comédia onde a história se desdobra a partir das decisões de Ângelo, juiz implacável

da Redação 0 Comments

Peça “É a Mãe” estreia no Teatro do Leblon, no Rio

Obra apresenta situações comuns a todas as mães que se desdobram para cuidar dos filhos.

da Redação 0 Comments

Jornal de Teatro está no Twitter

A partir de agora, as notícias sobre o mundo do teatro podem ser vistas através da rede social Twitter.

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!