A Man of No Importance

A Man of No Importance

Depois de um período agitado com audições na Europa, Adriano Fanti arrumou um tempo para apresentar aos leitores do Jornal de Teatro as novidades do mundo dos musicais na Inglaterra. Acompanhe!

 

 

Estreia no Union Theatre, em Londres, o fabuloso musical “A Man of No Importance”, de Lynn Ahren (letras) e Stephen Flaherty (Livreto). Baseado em um filme independente feito em 1994, estrelado por Albert Finney, este musical aborda tanto os clichês do teatro musical quanto a cultura irlandesa e ainda assim consegue ser extremamente charmoso.

O filme é uma joia escondida e pertence a uma era em que os “blockbusters” estavam sendo convertidos em peças musicais. Este espetáculo se sobressai em sua integridade de conteúdo como um grande exemplo de que adaptações musicais podem ser muito mais do que a simples reunião de canções batidas e manjadas (jukebox), apresentadas a todo volume.

Terrence McNally delicadamente teceu a história por meio de reviravoltas tragicômicas, complementadas pelas letras de substância compostas por Lynn Ahrens. O livreto de Stephen Flaherty, confortável ao invés de cerebral, dá o toque de simplicidade necessária para a peça.

A história retrata um motorista de ônibus (Alfie), irlandês de meia idade, que tem verdadeira paixão por teatro amador, poesia e, acima de tudo, pelas obras de Oscar Wilde (com quem conversa em sua imaginação como se o escritor fosse uma espécie de mentor). A controvérsia tem lugar quando Alfie tenta encenar a peça “Salomé” de Wilde em meio à fervorosamente católica Dublin dos anos 60.

Alfie Byrne é uma figura local querida por todos, um solteirão (não do tipo atraente) que encanta seus passageiros recitando dramaticamente os poemas de Oscar Wilde. Um dia, ele conhece uma passageira nova chamada Adelle, que o inspira a tentar montar Salomé tendo ela como protagonista. Mas a peça causa ira entre os membros mais conservadores da comunidade (incluindo o açougueiro Carney, que corteja sua irmã Lily), todos eles tentando boicotar Alfie. Mas, ao invés de desistir, ele decide ir adiante e quebrar tabus, uma decisão que o força a encarar o seu eu interior, particularmente em relação aos seus reais sentimentos por um atraente colega de trabalho, Robbie Fay.

O diretor Ben De Wynter juntou um “ensemble” forte que traz vida a seus personagens com total convicção. Paul Clarckson está adorável como Alfie, lidando com estilo e dignidade com todas as complexidades da personagem e sua jornada de autodescobrimento. Paul Monagham resiste à tentação de interpretar a personagem de Carney de forma caricata, conseguindo capturá-la na medida certa. Patrick Kelliher como Robbie; e Roisin Sullivan como Adelle; caíram como luvas em seu papeis: o livreto musical lhes dá a oportunidade de cantarem ótimas canções, que emocionam e também empolgam o público.

É irônico, no entanto, que os musicais que buscam maior conteúdo acabam sendo sempre os de orçamento mais precário e cuja falta de público os impede de suportar longas temporadas. Os musicais mais caros, com cenários mirabolantes que chegam até a roubar o foco do enredo, não parecem sofrer desse problema.

Se há uma deficiência na montagem, isso se dá porque a equipe de criação não parece ter pensado muito na concepção do espetáculo. Restrições de orçamento não são desculpa para falta de imaginação (isso nós brasileiros tiramos de letra e esta produção foi negligente neste sentido, permitindo falhas do tipo de cortinas que não se fecham, objetos cênicos nada funcionais e figurinos que caem aos pedaços durante os números de dança. É, faltou mesmo o famoso jeitinho brasileiro para ter resolvido tudo isso.

 

 

NOTAS

Musical inspirado no Homem-Aranha tem rockstar como protagonista
A peça “Spider-Man Turn Off The Dark”, que será encenada em breve na Broadway, já encontrou o intérprete para a personagem-título: Reeve Carney, vocalista da banda de rock Carney. Além do cantor, Evan Rachel Wood encarnará, nos palcos, a namorada do herói, Mary Jane; e Alan Cumming será o Duende Verde, o eterno arqui-inimigo. Com estreia prevista para 2010, o musical contará as origens do super-herói aracnídeo e terá Bono Vox e The Edge (ambos da banda irlandesa U2) como compositores das músicas. Embora o projeto conte com uma equipe estrelada, a montagem enfrentou sérias dificuldades para conseguir financiamento. Mas, segundo seus produtores, a peça já encontrou quem banque os mais os mais de US$ 40 milhões previstos para custear a encenação.

Denzel Washington tem planos de voltar aos palcos
A montagem do texto “Fences”, de August Wilson, promete garantir o retorno de Denzel Washington para o teatro. Os produtores Carole Shorenstein Hays e Scott Rudin ainda não acertaram o espaço que sediará a peça na Broadway e nem o restante da equipe, mas prometem que terão no elenco o ator hollywoodiano, que se mantém afastado dos palcos desde 2005, quando encenou “Júlio César”. A última apresentação de “Fences”, que contou com James Earl Jones no papel que será de Washington, conseguiu vencer tanto o prêmio Tony, por melhor peça, quanto o Pulitzer, por melhor drama em 1987. Agora, quem assume a direção do espetáculo é Kenny Leon, que já chegou a dirigir outras duas peças de August Wilson, “Radio Golf” e “Gem of the Ocean”.

Will Smith e Jay-Z produzirão musical inspirado em músico nigeriano
“Fela”, musical que leva aos palcos da Broadway a vida de um dos pioneiros do afrobeat, Fela Anikulapo-Kuti, já tem produtores garantidos: os atores Will Smith e Jada Pinkett Smith e o rapper Jay-Z. A participação deles no financiamento da peça, a uma semana de sua estreia, pode garantir o sucesso da história do músico que influenciou gente no mundo inteiro, de Paul McCartney a Gilberto Gil. A montagem reproduz o clube em que Kuti tocou por muitos anos, na cidade de Lagos, na Nigéria. No papel do músico está o ator Sahr Ngaujah, premiado por sua atuação nesse papel na temporada Off-Broadway da peça. Mesmo estreando no circuito principal da cidade, os produtores prometem que não suavizarão os aspectos polêmicos da história de Kuti: seu casamento com 27 mulheres e o engajamento político contra o governo nigeriano estarão todos na trama.

 

Previous A farsa do macho e a graça da fêmea
Next Comunicação aliada à cultura

About author

You might also like

Internacional 0 Comments

Gripe A fecha as portas dos teatros na Argentina

Medida inédita é tentativa desesperada do governo para deter avanço da Influenza.

Internacional 0 Comments

Buenos Aires: capital mundial do teatro independente

O cenário teatral da cidade de Buenos Aires se identifica com a ética e a estética independente desde muito tempo: uma lógica que destila exuberâncias de produção, espaços e ofertas, que a coloca como uma das principais no mundo, junto a Nova York, Londres e Paris.

Internacional 0 Comments

Seleção Brasileira de Improvisação vai à Argentina

Convidados pela LPI da Argentina a levar um time de improvisação para representar o Brasil na terra vizinha. A Cia.de Teatro com a “Seleção Brasileira de Improvisação vai à Argentina”

0 Comments

No Comments Yet!

You can be first to comment this post!